Foco nas edificações é vital para êxito da conservação de água

Foco nas edificações é vital para êxito da conservação de água

Ao abrir o Workshop Técnico Conservação e Uso de Fontes Alternativas de Água em Edificações e Preparação da Indústria da Construção para o 8º Fórum Mundial da Água, o vice-presidente do SindusCon-SP, Francisco Antunes de Vasconcellos Neto, destacou a importância do foco nas edificações, para o êxito dos programas nesta área. O evento aconteceu em 5 de dezembro, no auditório da entidade, realizado pelo SindusCon-SP e pela CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), com co-realização do Senai e do CB-02/ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

“Se não tratarmos corretamente a conservação e o uso de fontes alternativas de água nas edificações, não poderemos fazer programas mais abrangentes. Mas graças ao amadurecimento de construtoras, ONGs e governos, novas ações avançaram, entre elas a abertura  da Comissão de Estudos ABNT sobre o tema, para garantir qualidade”, afirmou.

Vasconcellos lembrou as diversas iniciativas adotadas pelo SindusCon-SP nos últimos 15 anos, por meio dos Comitês de Meio Ambiente (Comasp) e de Tecnologia e Qualidade (CTQ), para impulsionar a conscientização sobre a importância da conservação e uso de fontes alternativas. Ele ainda agradeceu ao governo do Estado, à CBIC e à ANA organizadora do Fórum Mundial da Água pelo apoio à realização do workshop.

As iniciativas da entidade foram elogiadas pelo coordenador de Saneamento da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Américo Sampaio. “O SindusCon-SP esteve sempre à frente das práticas de conservação da água, em um exemplo não somente para São Paulo como para o Brasil”, comentou.




Sampaio elencou quatro providências a serem tomadas pelo poder público nessa área: intensificar o controle de perdas, superior a 70% em alguns pequenos municípios; aprimorar o uso racional da água; incentivar o aproveitamento de fontes alternativas como as águas pluviais, e regulamentar o reuso e o aproveitamento. “Estamos acompanhando as normas. Elas são muito necessárias, pois investimentos em boas práticas deixam de ser feitos pelo temor de que uma regulamentação posterior venha proibi-los”, disse.

O coordenador de Saneamento anunciou que o governo estadual pretende lançar um programa para reduzir o consumo de água. As Secretarias de Saneamento e de Habitação vão investir R$ 5 milhões para realizá-lo em 5 mil unidades habitacionais da CDHU. A intenção é estender o programa para os condomínios, com financiamento da Desenvolve São Paulo e juros equalizados pelo governo do Estado.

População economiza




Há espaço para motivar a população com a adoção das normas, disse o gerente do Programa de Uso Racional de Água da Sabesp, Ricardo Chain. Exemplificando, ele relatou que, mesmo com o fim da crise hídrica de 2014/15, os paulistanos seguem racionalizando o uso do insumo. “O consumo anterior, de 13 m³/mês, reduziu-se na crise a 10 m³/mês e hoje está em 10,6m³/mês. Na crise, tivemos a menor vazão dos últimos 83 anos.”

Informando que a Sabesp está concluindo as obras para o aumento da segurança hídrica da capital paulista, Chain reforçou a importância das normas. Comentou que, na crise hídrica, 75% da população adotaram práticas de economia e surgiram especialistas em sistemas, “muitos sem critérios”. Atualmente, a companhia atende 28 milhões de usuários em 367 municípios. Na Região Metropolitana de São Paulo, são mais de 4,5 milhões de ligações, com uma vazão de 61m³/segundo, distribuídos entre 85% de residências (incluindo 40 mil condomínios) e outros usos.




A importância das normas também foi ressaltada pelo presidente da Comissão de Meio Ambiente da CBIC, Nilson Sarti. “Na crise hídrica surgiram propostas absurdas de legislações e, graças ao trabalho conjunto com o SindusCon-SP, conseguimos mostrar sua inviabilidade”, comentou.

Sarti anunciou que a CBIC coordenará os painéis Desenvolvimento e Urbano no Fórum Mundial da Água que se realizará pela primeira vez no Hemisfério Sul, em 18 a 23 de março, em Brasília. Rogério Menescal, coordenador do 8º Fórum Mundial da Água, acompanhou o workshop técnico por videoconferência e apresentou como está sendo organizado o evento e as possibilidades de participação do setor.

Normas em elaboração

Na sequência, Lilian Sarrouf, coordenadora técnica do Comasp e coordenadora da Comissão de Estudo de Conservação de Água em Edificações, e Virginia Sodré, secretária desta comissão, relataram o andamento dos trabalhos e o conteúdo das normas técnicas.

Foram apresentados cases: Gestão da demanda e o uso eficiente da água, resultados em condomínios residenciais, hotéis e hospitais, por Osvaldo Barbosa de Oliveira Junior, coordenador da Engenharia de Aplicação da Deca, divisão da Duratex; e Resultados da medição individualizada como instrumento de gestão em edifícios, indicadores de consumo, avanços e desafios; preparação para atendimento à Lei Federal 13312/2016, por Eduardo Lacerda Soares, gerente geral da Techem.

À tarde, palestraram Carolina Paula de Castilho, pesquisadora Poli/USP, sobre Reuso de água em edificações: estudo de caso em edifícios existentes; José Carlos Mierzwa, coordenador técnico do Centro Internacional de Referência em Reuso de Água da USP, sobre Padrão de qualidade de água para usos não potáveis em edificações; e Plínio Tomaz, coordenador da Comissão de Estudos Especiais sobre Aproveitamento de Água de Chuva da ABNT, sobre este tema. Os debates foram coordenados pelo coordenador do Comasp, Fábio Villas Bôas.

Seguiram-se mais apresentações de cases: Ações para conservação de água em empreendimento residencial da Trisul, por Álvaro Diogo, secretário da Comissão de Estudos Especiais sobre Aproveitamento de Água de Chuva; Conservação de água, energia e reuso em empreendimentos da Tecnisa, por Marcelo Matsusato, gerente de Sistemas Prediais desta construtora; e Reuso de esgoto sanitário para fins não potáveis em empreendimentos comerciais, por Virginia Sodré.  Seguiram-se debates moderados por Milton Henriques Gomes, diretor da Abrasip. 



Autor: Rafael Marko, para SindusCon-SP, em  05/12/2017.

Imagens: Divulgação